Energia solar avança no Brasil e atrai consumidores residenciais e empresas gerando a própria energia e o número de instalações de ‘microgeração’ de energia subiu de 23 para 31 mil.

Entre 2014 e 2018, as adesões ao modelo de geração distribuída quadruplicaram no país, passando de 424 conexões e ultrapassa 20 mil conexões a classe residencial com 16,2 mil ligações lidera o número de consumidores- geradores. Para este ano, o crescimento pode ser de até 800%, segundo a Aneel.

Você já imaginou poder gerar a sua própria energia elétrica para seu imovel utilizando apenas o Sol?

Pois essa possibilidade já existe e deve ser cada vez mais comum no país. Segundo estimativa daAgência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), até 2024 cerca de 1,2 milhão de residências no Brasil vão contar com energia produzida pelo sistema de geração distribuída, que permite que o consumidor instale pequenos geradores de fontes renováveis, como painéis solares e microturbinas eólicas, e troque energia com a distribuidora local, com objetivo de reduzir o valor da conta de luz.

O potencial de crescimento é muito grande, e a taxa de crescimento tem sido exponencial, até porque a base ainda é baixa. Atualmente, cerca de 90% das instalações de geração distribuída no país correspondem a painéis solares fotovoltaicos.

O empresário Luiz Figueiredo usou 1.150 painéis solares para cobrir o lago de sua fazenda e gerar a própria energia. O consultor Carlos Tabacow instalou 18 placas no teto de sua casa e ficou livre da conta de luz. No Rio, uma escola cobriu o telhado com 50 painéis e agora produz metade da energia que consome. Iniciativas como essas começaram a se espalhar pelo País e têm garantido uma escalada dos projetos de microgeração de energia solar no Brasil.

Também foi autorizado pela Aneel que o consumidor gere energia em um local diferente do consumo. Por exemplo, a energia pode ser gerada em uma casa de campo e consumida em um apartamento na cidade, desde que as propriedades estejam na área de atendimento de uma mesma distribuidora. A norma também permite a instalação de geração distribuída em condomínios. Nesse caso, a energia gerada pode ser repartida entre os condôminos em porcentagens definidas pelos próprios consumidores.

Quando a quantidade de energia gerada em determinado mês for superior à energia consumida, o cliente fica com créditos que podem ser utilizados para diminuir a fatura dos meses seguintes. De acordo com as novas regras, o prazo de validade dos créditos passou de 36 para 60 meses.

Quando você faz o investimento em um sistema desses, é o equivalente a você comprar um bloco de energia antecipado, um estoque de energia, que poderá usar por 25 anos sem se preocupar se o valor da energia vai subir ou vai descer. O aumento da procura por equipamentos vai fazer com que o custo da instalação tenha uma redução nos próximos anos.

Faça o seu orçamento instantâneo e sem compromisso em www.sunergia.com.br

 

#ComSoltudoMelhora @Sunergia | energia solar